MANIFESTO DA “SLOW SCIENCE”

Somos cientistas. Não blogamos. Não twittamos. Fazemos as coisas no nosso ritmo.
Mas não nos levem a mal – dizemos sim para a ciência acelerada do início do século 21. Dizemos sim ao constante fluxo de periódicos avaliados por pares e a seu impacto; dizemos sim para blogs de ciência e para a necessidade de mídia e de relações públicas; dizemos sim à crescente especialização e diversificação em todas as disciplinas. Nós também dizemos sim para que a pesquisa de retorno na saúde e na prosperidade futura. Todos nós estamos neste jogo também.

No entanto, sustentamos que isto não pode ser tudo. A ciência precisa de tempo para pensar. Ciência precisa de tempo para ler, e tempo para falhar. A ciência nem sempre sabe o que pode ser crucial agora. A ciência se desenvolve de modo inconstante, com movimentos bruscos e saltos imprevisíveis para a frente – ao mesmo tempo, no entanto, arrasta-se progredindo em uma escala de tempo muito lenta, para a qual deve haver espaço e para a qual a justiça deve ser feita.

A ciência lenta foi praticamente a única ciência concebível por centenas de anos; hoje, argumentamos, ela merece ser revivida e necessita proteção. A sociedade deve dar aos cientistas o tempo necessário, mas mais importante, os cientistas devem fazer a seu ritmo.

Precisamos de tempo para pensar. Precisamos de tempo para digerir. Precisamos de tempo para nos desentendermos, especialmente quanto à promoção do diálogo perdido entre as humanidades e as ciências naturais. Não podemos continuamente dizer o que nossa ciência significa, para que ela servirá, porque nós simplesmente ainda não sabemos. A ciência precisa de tempo.

– Fique conosco, enquanto pensamos.

x x x x x x x x x x

Na sequência dos pensamentos expressos no manifesto acima, acreditamos que esse maior tempo de pensar e de prosseguir o diálogo e a disputa face-a-face devem ser disponibilizados para a atual geração de cientistas ativos de alto nível. Defendemos que a ciência, bem como a sociedade como um todo que financia a nossa ciência, se beneficiará grandemente a longo prazo, e por muito tempo, se uma cultura de pensamento, integrativa, sustentada e de “não tempo real” / off line, for incentivada e mantida viva.

As academias foram o lar exclusivo da ciência por um longo tempo, bem antes que os períódicos científicos fossem introduzidos “virando o jogo”. Atualmente, pesquisadores acadêmicos dificilmente desempenham um papel a mais; onde eles existem, a adesão é um objetivo de carreira e incentivo para eminentes cientistas seniores e outras honrarias mais do que uma uma carreira ou espaço de retiro.

A “Slow Science Academy”, fundada na Alemanha em 2010, pretende oferecer a muitas vezes desacreditada, mas absolutamente necessária, torre de marfim. Reunirá grupos de pesquisadores básicos ao lado de seletos cérebros de ciência e áreas afins para oferecer-lhes espaço, tempo, e, finalmente, recursos para fazer o seu trabalho principal: discutir, questionar, pensar.

Para mais informações ou para filiação, entrar em contato pelo endereço:
SLOW SCIENCE ACADEMY · BERLIN, GERMANY
academy@slow-science.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *